O evangelho segundo Maria de Magdala

O evangelho segundo Maria de Magdala

A autora deste livro é umha teóloga estadounidense. O seu estudo dum evangelho apócrifo (leia-se "oculto" e nom "falsificado") centrado na figura de Maria Madalena vai além da análise unipersoal e dá pé a umha valoraçom global dos primeiros séculos do cristianismo em clave de gênero.

A leitura que se fai desse antigo escrito, do qual apenas se conservam fragmentos, nom deixa em bom lugar a vários apóstolos, especialmente Pedro, polo seu caráter (irascível) e prejuízos (machistas).

In the Gospel of Mary (...) Peter (...) models what the spiritually underdeveloped person is like: fearful, arrogant, jealous, ignorant.


The conclusion of the Gospel of Mary leaves the reader with little confidence that these disciples, especially Peter and Andrew, will be able to preach the gospel of the Realm. And since, as we have noted, the Gospel of Mary questions the validity of apostolic succession and authority, it is little wonder that later orthodox theologians, who founded their own authority upon apostolic reliability, would decry the Gospel of Mary as heresy.


Assinala-se Maria como a discípula mais avançada de Jesus. Se nom lembro mal o ensaio fala de sete homens e cinco mulheres como primeiros seguidores del, sem distinçom por sexo. Quem sabe se daí nasce umha tradiçom que séculos mais tarde perviviria cos mosteiros medievais dúplices.

Clearly Mary is spiritually more advanced than the male disciples; because she did not fear for her life (...) and did not waver at the sight of him in her vision (...) Pagels suggested that the Savior's injuction was written specifically against Paul's attempt to silence women (...)


A conclusom é que o papel e a presença das mulheres na igreja original foi apagada ou deixada num segundo plano e que nesse contexto de reelaboraçom do relato Maria passa de ser umha profetisa a umha prostituta.

Yet in every century, from the first to the twenty-first, women's leadership has been opposed. The attempts of some of their fellow Christians to exclude them from roles as prophets, teachers, and preachers must have been a bone of contention, even as it is today.


Os escritos dos primeiros tempos do cristianismo após Jesus morrer som dumha época de transmissom oral de feitos e de lendas. Resulta arbitrário dar legitimidade a priori a uns escritos e negar-lha a outros. Jesus nom escreveu o que ensinava, daí que todas as fontes da mesma época (ss. I-II) som, por definiçom, secundárias. Imagino que o ideal é conhecer todos os escritos para poder valorá-los em conjunto e individualmente. Além disso em termos científicos, tanto o estilo como a dataçom material quando se conservam restos físicos será essencial à hora de valorar autenticidades.

When Jesus died, he did not leave behind an established church with a clear organizational structure. The patriarchal and hierarchical leadership of the church developed only slowly over time and out of a range of possibilities. Early Christians experimented with a variety of formal arrangements (...). In many, women and slaves were important leaders; others resisted this reversal of the dominant social order and worked to exclude them.


O ensaio parece-me detalhado, mui interessante e de amena leitura, mas nom tenho conhecimentos para o valorar além disso. A autora já se retractou publicamente de teses que anteriormente defendera. A primeira sobre o próprio evangelho de Maria. No livro conta que em princípio o valorava como umha re-elaboraçom de textos anteriores, mas que segundo o foi analisando ao longo do tempo concluiu o contrário, que tinha demasiados elementos originais como para ser simples cópia/variaçom de evangelhos prévios. Outro caso aconteceu com um fragmento de nom hai muitos anos que se supunha provava que Jesus estivera casado, mas que agora parece se ter concluido que é umha falsificaçom.

Incidentalmente, o livro fala dos irmãos de Jesus, em concreto do seu irmão gêmeo (que p.e. na Wikipédia em espanhol nem se menciona), Judas Tomás, e ainda outro, Santiago. Eu sempre pensara que Jesús nom os tinha. Polo que persoa experta me di, tivo polo menos quatro: Jacob, José, Judas e Simom além de várias irmãs. Isto polo que me dim fica claro no Evangelho segundo Marcos cap. 6, 1-4 e confirma-o Matéu cap. 12, 46-50. Outras referências vêm de escritos apócrifos, o qual nom significa que sejam falsos senom que nom forom aprovados polos líderes da igreja primitiva. A distinçom entre canónicos (aqueles que foram aceites) e apócrifos (os que nom) é dacordo com quem sabe do assunto, mui subjetiva e interessada.