A nossa avoa (1907-2008) cantava:

Imos cantando, arruando,
imo-lo passando bem.
Se no-lo o mundo marmura
é coa *envídia que nos tem


A métrica da estrofa é 8-7-8-7:


imoskantandoaruando
imolopasandoben
senoloomundomarmura
ékuaenvidiakenostein


Sempre iam cantando, tamém agruando (esse 'g' dito como um 'h' aspirado), que é o mesmo que aturujar. Arruar entendemos aludia à rua, a ir de festa, de troula pola via. Envídia é um castelhanismo, por inveja. Quanto à última palavra é difícil dilucidar se é na forma singular "tem" [o mundo] ou "têm" [eles e elas], porque a diferença de pronúncia ten versus tein é subtil e em todo caso na fala da avoa as formas mais bem eram idênticas (el ten, eles ten), ambas com 'e' aberto.

À foliada de pandeiretas e ao baile tamém lle chamavam ruada, mas nesses versos supra o verbo arruar (4) corresponde à forma do substantivo arruada, passeio polas ruas.

Em "Se no-lo mundo marmura", 'no-lo' é umha forma combinada de dous pronomes átonos e vai numha posiçom infrequente: menos chamativo provavelmente nos pareceria "se o mundo no-lo marmura".

  • "no-" corresponde a "nos" (objeto indireto), se o mundo nos critica/censura [a nós]

  • "-lo" corresponde a "o" (objeto direto), se o mundo o critica [o nosso divertimento]