Umha pequena mostra de dados de maternidade nos últimos séculos

Nom tem por que ser representativo o que sei, mas umha das cousas que mais me chama a atençom de trabalhar com dados de populaçom som as idades da maternidade. Tinha o prejuízo de pensar que, de hai um século para trás, as mulheres teriam filh@s mui novas, mas os dados dim-me o contrário. Se tomo como mostra a margem 1900-1950 as idades de parto vam dos 22 (mulher nascida em 1901) a 41 anos (1902). No meio século anterior (1850-1899) a idade mínima é 18 anos (n. 1861) e a máxima 47 (1854), com valores superiores, estatisticamente anómalos, pendentes de contraste. Hai muita maternidade serôdia, p. ex. vistas três mulheres do mesmo ano (n. 1872): umha tem 3 filh@s dos 30 aos 36 anos, outra 29-40, outra 28-35. Começavam a ter filh@s sendo mulheres feitas e direitas e tinham-nos até tarde. Isto rompe-me por completo os esquemas. Manel Vilar aponta-me que haveria que ver o gráfico da distribuiçom, para valorar além dos extremos, e é certo, mas limito-me a indicar as idades às que tinham a primeira e a última criança todas as mulheres que tenho registradas com data de nascimento, que nom som poucas. E nestas, os rangos de idade som todos similares. Quanto à distribuiçom, nom figem ainda média interpartos mas polo que tenho visto, de memória adianto que era bastante regular, arredor de dous ou tres anos entre um parto e o seguinte. Mar Fernández di-me que, se lembra bem, Marvin Harris dava idades da época vitoriana para o primeiro período nos 17 ou 18 anos e falava tamém doutras épocas com registros, como a Roma clássica, e a sua interpretaçom era similar à que estamos coligindo aqui, que nunca foi normal a maternidade adolescente. Eu a priori associava a maternidade adolescente de que soubem nas décadas dos 1970-80 ao atrasso ou descuido, mas nom teria suposto que a data do primeiro período fosse tam condicionante; pergunto-me que parte dos dados de maternidade refletem fatores biológicos e quais condicionantes sócio-culturais. Ainda assim, falamos quase sempre dos 18 anos em adiante. Ser nai aos 40 anos, vistos os dados, era do mais normal nos s. XVIII-XX, mas nai adolescente só tenho de momento um único caso de 17 anos, e nengum por baixo desse tempo. Em qualquer caso, se vou por exemplo a dúas mulheres nascidas em 1791, umha foi primípara aos 28 e outra aos 35. E de 1806, umha mulher tem cinco crianças dos 26 aos 45 anos. Aí influi nom só o período, dá-me por pensar.