Mondo ful

Corunha vai caminho de se converter num catálogo de horrores desde El Puerto a Marineda City. E agora resulta que nom hai dinheiro para manter tanto monstro.

E logo alguém era tam ingênuo para nom saber que isto ia acontecer? Nom penso que ninguém nos surpreendamos.

O que o artigo de El País nom acerta a abordar é o aspecto essencial do negócio a priori, isto é: o que hai atrás dumha manobra destas dimensões e de que maneira a economia especulativa fai a sua caixa antes destes macro-horrores abrirem.

em quanto a cidade se esvazia de populaçom e de lojas, convertendo as ruas ateigadas de baixos comerciais fechados em cenários dignos dum filme de zombis, e desintegrando assim o tecido comunitário e de serviço, os powers-that-be tentam concentrar em áreas específicas essa absurda fussom do consumo e o ócio.

Porém, mesmo quando o consumo desce abruptamente por culpa da acelerada concentraçom de riqueza e da expansom massiva da miséria entre o comum do povo, nom vam ser os grandes investidores os que perdam dinheiro na 'falhida jogada': esses já tinham tudo ganho antes de que as portas do Disneyworld abrissem o primeiro dia.