O pórtico de S. André no Parrote

Meu pai e Gregorio Casado falárom-me da porta do Arquivo do Reino fronte à Solaina do Parrote. Este último ademais mandou-me documentaçom bem interessante.

No seu artigo «Arquitectura nosocomial en La Coruña gótica» (publicado em Cuadernos de estudios gallegos XLIII, fasc. 108, 1996) María Dolores Barral Rivadulla fala do hospital -no sentido antigo, nom atual- de Santo André na Corunha, cuja data de fundaçom se desconhece. Iniciativa dos mareantes da cidade, foi incendiado durante o assalto do pirata Drake, e tivo reconstruções posteriores até que a finais do s. XIX o concelho mandou fechar a sua capela. Por documentaçom do XVI e XVII parece que estava diante do Orçám, entendemos que onde está agora a capela (na própria rua) de Santo André. A porta do acesso ao antigo complexo hospitalário salvou-se da demoliçom que acabou coa igreja parelha graças à declaraçom como monumento histórico artístico, nom sei quando, mas no 1956 colocou-se na muralha de Sam Carlos, que é onde a conhecemos de sempre os corunheses do meu tempo.

Barral Rivadulla descreve com um enorme detalhe a obra (sugiro a leitura da cumprida descriçom a historiadores da arte) e os seus motivos: folhas de cardo e outros vegetais, peixes (alusivos à confraria titular da igreja), folhas unidas em forma de aspa (sendo a cruz aspada o símbolo do santo padrom do templo), oito figuras arredor do Salvador (este com guedelhas mas sem barba e mostrando as mãos) e anjos com roupa eclesiástica intuída polos cordões rematados em nós, o que disque relacionaria o hospital cos franciscanos corunheses.

Hoje em dia a porta tem funçom de serviço, serve de entrada a remessas de documentaçom enviadas por outros organismos para o Arquivo do Reino de Galiza.

J. Cuevas realizou a finais do s. XIX esta ilustraçom na sua localizaçom original. O desenho reproduziu-se na tese de Pedro López -ex diretor do próprio ARG- sobre a Real Audiência de Galiza:

O pórtico de S. André no Parrote