Quem romantiza o mar ou os farois tamém devia ser consciente do escravo e mesmo perigoso que é trabalhar num ou quanto o era nos outros.

Somos urbanitas e adoramos ambos para o Instagram mas tamém é bem lembrar-se da quantidade de gente que se leva sacrificado nesses labores.

Sei de quem aborrece catedrais porque di que quando olha para elas só pensa na quantidade de obreiros que morrérom erguendo-as, nom digo tanto mas... som tataraneto de torreiro de faros e mi madrinha, o que era aquela vida hai cem anos em partes da nossa costa nom se lhe deseja a ninguém. As que passárom...

Tamén teño o deber de significar a Vs que o abastecemento de subsistencias para dez e sete individuos que compoñen ambas familias é por conta nosa, sendo a distancia para a condución de 13 km. Estes gastos deducidos dos pingües soldos que gozamos impiden sufragar as necesidades máis apremiantes da vida


Está traduzido para Que pasa na costa, a instância manuscrita original é no pulcro espanhol do avô Francisco. El a avoa Rita falavam em valenciano/catalám.