In Galician we don't say (s)he really likes you but enches-lhe o olho and I think that's beautiful.
No imprescindível Priberam:



Contudo, para o uso que nós lhe damos (nom sei se na Lusofonia é o caso) hai um aspeto subtil adicional que o DRAE cobre melhor:



Google nom a dá traduzido p. ex. de espanhol a português, Deepl fai-no melhor.
O DRAG admite miga, monda, montón, chatarra, Estraviz as três primeiras. Argh.

Farangulha ou miolo (segundo o caso, ainda que nós na casa ao primeiro tamém lhe chamamos miaga), tona, monte, ferralha. Assim sim.
Os meus nom dim "se sale", dim "bota por fora" and I think that's beautiful.

- Vistes a festa que tá preparando?
- Vim, ho, bota por fora!
A data nom se lê bem mas acho que é em 1983 quando meu avô me dá como presente este risom a escala feito por el mesmo. Ademais de marinheiro o avô era um artista fazendo cousas assim. Risom é como lhe chamam em Mogia a este tipo de âncora tradicional que nom leva elemento nengum de metal, está feita só com madeira, pedra e cabo.



No Dicionario de dicionarios encontramos que o termo se descreve como âncora de quatro unhas, sentido referendado polo Estraviz (que recolhe tanto a forma rizom como risom), umha acepçom distinta à que comento aqui. O risom, como se observa, leva umha pedra das que chamam bolos (o primeiro o é aberto, nom fechado como quando dizemos bolo dos de comer).
El gallego lo cambian de seguido:



Nom sei qual prefiro:



E aqui eu dizendo sustém como se fosse as tias-avoas...

sutiã

As escritas dos idiomas mudam (VI)

Escrita dos nomes José e Teresa numha paróquia galega ao longo do tempo segundo anos de nascimento:

Joseph x56 1680-1800
Josef x21 1780-1815
Jose x281 1780-2000

Theresa x14 1700-1815
Teresa x77 1685-1975

Ambos exemplos só considerando nome de pila de umha única palavra, nom compostos.
Por onde às carniçarias lhes chamam talho?
Nós à chicha do caldo sempre lhe dixemos talhada.

Traise unha tarteira
e con moita calma,
vanse n'ela pondo
o pan e as talladas.


Salvador Golpe, c. 1908 (?)
Dica: lembra que na escrita ILG-RAG se distinguem
- a vogal fechada sem ´
- a vogal aberta com ´

Entrar-lhe a umha moça perguntando-lhe de qual isoglossa é.

-Buah tia, é que o teu rotacismo é maço sexy
-Rotacirmo
-Isso, desculpa
Dei-me conta de que nunca figem a distinçom devida entre o ressio (ro-'si-o, pronunciamos) e a giada. Estraviz recolhe esta nossa variante para geada, DRAG só xeada. Porém Xiada como nome para meninas já se dá, legalmente e acho bem lindo! Se Elsa fosse galega Frozen podia intitular-se assim.


Por muito que se figer no âmbito cultural, a normalizaçom linguística é isto.
Como pronuncio "Pode-se":

de poder » o aberto
de podar » o fechado

(o 1° é indicativo e o 2° exortativo)
Lembrete amigável de nom mandar quem for a "freir espárragos" ou que "les den morcilla" senom que lhe(s) dêem bertorelha.

Já o dizia Picadillo em 1905:

Que te den, que te den
bertorella
Falando com alguém dos últimos 70 nom lembra as expressões neno pera e neno de papá. Diria que nom as usávamos para significar "mimado" senom o que agora se di pijo, em castelhano. Juraria que de pequenos esta última palavra nos soava ou soaria a gíria madrilena.

Parte do que o galego lhe deu ao espanhol

Via RAE
Em português a parte estreita das garrafas di-se gargalo. Hoje sentim em galego chamarem-lhe gorgulha. O Estraviz di que esta última forma significa erupçom na pele e que a correspondente à garganta dos objetos é gorgola. Ainda assim esse segundo o pode-se fechar facilmente na pronúncia e já estaríamos mais práximo da palavra que ouvim.
Molar em galego é outra cousa. Melhor formas galegas que gíria espanhola. Temos campar, que campa muito, e tamém coloquialmente arrasar, que arrasa...!