A foto do ano de 2013, acusada de falsificaçom

óptimo artigo de divulgaçom forênsica: How the 2013 World Press Photo of the Year was faked with Photoshop.


algum aspecto da análise tenho-o pensado algumha vez mui em abstracto, aínda que nom sei nada das interioridades porque nom trabalhei em processamento interno de imagens. em qualquer caso, é bom que existam analistas e expertos que podam aportar luz em casos assim.


eu penso que hai modificações que nom som intrinsecamente malas. um contraste ou um enfoque posterior coa finalidade de fazer "legível" a imagem (igual que se se desofuscasse um texto) poderiam ter sido aplicados no instante da captura da imagem polo hardware se este fosse suficientemente "avançado". acontece, neste sentido, que a fronteira entre "o que fai a persoa" ("manualmente") e o que fai a máquina ("automaticamente") se diluem. dentro do razoável, câmbios assim, nas margens em que nom se altere voluntariamente o "significado original" que se quere reflectir, nom representam umha alteraçom da "verdade" (sempre tudo em termos relativos...).


em qualquer caso, o debate é mui interessante e eu som partidário de tentar procurar o sentido comum. umha manipulaçom de cortar e colar nos 1940 fai-se com umha técnica distinta que hoje em dia, mas a intençom que hai detrás é semelhante. e fundamental para dilucidar o assunto.


acho que mesmo se pode dizer abertamente "isto é umha composiçom" e apresentá-la como tal. o facto atrás do collage é real, as imagens a partir das quais se criuou tamém... simplesmente se trata dumha 'disciplina' criativa-comunicativa distinta.


aqui, o problema de fundo dacordo co artigo parece ser que se quixo apresentar como fotografia jornalística o que nom é tal. e nuns tempos em que o jornalismo verdadeiro está em tal perigo, algo assim nom se pode passar.