(…) Pacific was one of the very first Independent publishers, creating an amazing line of high quality titles between 1980-1984. During their brief span of publishing they not only highlighted the works of legendary creators such as Jack Kirby, Al Williamson, John Bolton, and Richard Corben, but they also had the wisdom to introduce us to a plethora of new creators, such as Dave Stevens and Arthur Suydam. (…) Captain Victory, featuring the first appearance of an entirely new universe by Jack Kirby (…)

Chuck Rozanski, Mile High Comics

Não me conto em absoluto entre os que querem apagar Stan Lee da história dos cómics. Porém lembro quando defender o legado de Kirby parecia tema tabú no mainstream USA. Frank Miller, cuja ideologia hoje me causa estupor, e mais outros poucos, tiveram a valentia de manter a memória do mestre acessa.

Hoje em dia hai mais conciência sobre a questão (não só de Kirby, senom dos direitos autorais em geral) mas naquela época de eclipse a pequena editorial que precisamente levava este nome botou-lhe coragem, num contexto provavelmente muito menos propício.

Bravo.

Steve Duin: “The back story on Stan Lee vs. Jack Kirby”


Impressionante crónica do ponto de vista humano. Não há branco e negro. Pintar Lee de simples demoníaco corporativista e retirar-lhe todo o crédito do seu papel seminal na história da BD por a cámbio celebrar Kirby como sobradamente este último merece é indigno, próprio de desenhadores com esse tic miserável de só perceberem os guionistas quer como moléstia quer como trampolim. E isto acontece, dou-vos fé.

A realidade frequentemente é mais complexa quando se trata de relação entre humanos.

Dá muita pena toda a história de oportunidades perdidas e esse epílogo tão triste no funeral de Kirby.