Nom compro a Amazon, nunca. Nom pesquiso em Google. Nom tenho conta em Facebook, Whatsapp nem afiliados. 99% do tempo nom toco Windows. Renunciei voluntariamente ao carro particular em favor do transporte público e outros jeitos de me mover.
Quem optar por tudo isso, fantástico -nem pior nem melhor, levado ao extremo dialético-, só digo que é essencial nom perdermos a perspetiva do que se pode ou nom fazer, voluntariamente, no mundo livre.
Imaginas nom levar telemóvel? Usar só efetivo e nunca cartom de crédito nem pagamento desde o celular? Que cousas som realizáveis e quais nom? Hai quem por exemplo ataca o veganismo alegando que é só uma pose, mas na realidade com isso está dizendo que o normal (o válido, o aceitável) é fazer o contrário, o que a maioria fai/fazemos. Porém assim nada muda nunca.
Se nom questionarmos a(s) inércia(s) imperante(s) -sociais, linguísticas, económicas, ...- nem quem se beneficia realmente delas, non experimentamos a fazer nada de maneira diferente. Assim o que se logra a todos os efeitos é extinguir por completo a possibilidade de alternativas em todos os planos e âmbitos da vida. Negar a dissensom.
E supom-se que estamos capacitadxs para um pouco mais do que isso.