Nom é a primeira vez que leio algo tipo "Só vos falta pedir que volte Fernando Vázquez".

Isto que vou dizer nom tem nada a ver com Borja Jiménez, nem sequer co feito de que para mim leve mais de um mês desnorteado. Isto vai de Fernando e para mim el pode hipoteticamente voltar quando quiger. Igual que Arsenio voltou sempre que se lhe pediu e, como el mesmo dixo, às vezes ao Dépor como instituiçom resultou-lhe até fácil de mais. Arsenio voltava porque esta é a sua casa e chamavam-no para apagar lumes, para ajudar, para re-compor.

Nom chamavam por el para premiá-lo, nom, ho, senom porque (nos) fazia falta.

Agora querem-se novos tempos e treinador moderno e apostar por Borja? Elegimos estabilidade na esperança de réditos no meio praço ainda que os resultados imediatos sejam péssimos? Dacordo, pois vamos, somos todos uns como os de Coluns. Mas hai a quem nom se lhe fecha a porta nunca. Como a Fernando ou a Augusto.

É surpreendente que agora ninguém se lembra do "burro de Arteijo"... Arsenio aturou o que nom está nos escritos e na verdade massivamente só se glorificou porque alcançou o primeiro título para o país. Que teria passado se tivesse fracassado? Merecia aquela liga que se lhe negou tanto ou mais do que merecia aquela taça que levou. Mas os que temos memória teríamo-lo recordado coa mesma reverência sem o mítico salto do mais velho dos Santaelena. Porque o jogo nem sempre é justo, igual que nom o foi com Fernando no Dépor.

Entom se ides usar o seu nome como antítese de nom sei o quê, melhor fazeis mudando de argumentário. A el nom se lhe teria perdoado o que a outros se lhes desculpa.

Sendo como é um dos nossos.