Cada vez que penso que as edições em português estám vetadas nas bibliotecas galegas quando tinham que ser de uso cotiám... boto as mãos à cabeça. O potencial que temos aí -mesmo que um persoalmente use a ortografia espanhola- só pode renunciar a el um povo totalmente alienado.

Assumimos que seria demencial nom ter CDs de Caetano Veloso na sala multimídia por mor do idioma mas em ensaio, narrativa, BD...? Um idioma que até persoas nom formadas, crianças de primária, etc, podem compreender praticamente sem dificuldade nengumha.
Nom tem lógica. Devia haver mínimo de obras: de referência ou quando o autor é lusófono, p. ex. é absurdo nom ter Pessoa, Saramago, etc. em versom original nas bibliotecas galegas.