Umha das cousas que mais me alucina de determinadas cousas feitas em/para Internet é a absoluta falta de auditoria nom como meio de validaçom moral BEM/MAL nem como mecanismo punitivo (d quem foi a culpa!?) senom simplesmente como ferramenta de QC (bom, o simples conceito de QC está ausente em tantos aspetos que melhor nem entrar nisso),
quer dizer, usamos ferramentas tecnológicas e nem sequer habilitamos métodos de control/avaliaçom automatizada que nos permitam ir melhorando o jeito de fazer as cousas gradualmente? Hai 4 anos figem um projeto para web e habilitei-lhe 4 mecanismos de control automático de conformidade a normas. Pola simples evoluiçom tecnológica sei que algum dia falharám e dará-me raiva... mas de momento estám todos em vigor e dando 100% de aprovaçom. Som simples e nom pretendem responder a todo o espectro de questões possíveis... mas polo menos som algo fronte à nada absoluta habitual,o q é especialmente chocante qdo se opera com € público e nem se controla o q s publica de jeito nengum, nem se audita nem examina, nom só cos efeitos de qualidade e conformidade a estándares genéricos que isto tiver, senom em assuntos como acessibilidade "universal" ... q supostamente estám regulados polo ordenamento vigente.

Enfim: q hai q trabalhar melhor e testar o q s fai, nom só fazer por fazer.

PS. E se a tua cultura laboral / de rendimento / "accountability" for a própria do setor privado... e nom queres levar surpresas... melhor fica nel.

Bushido


  • IT managers need to approve a new server or system configuration or operating system patch before it is rolled out to company endpoints or devices.
    Source
  • The IT organization itself also has its own need for process improvement and automation. The best-run IT organizations not only focus their process improvement efforts on those of other departments, they also seek to optimize their own IT management processes internally.
    Source
  • We should never hold someone accountable for something unless we have given them the authority (and resources) they need to accomplish the task.
    The idea that everyone in the workplace is a “customer” of the IT department is faulty. Our fellow employees aren’t customers; rather, they are partners in accomplishing the objectives of the organization. Otherwise people will sidetrack IT and dynamically change the scope of projects because “the customer is always right.” If you let that happen, you will not meet your goals.
    Every member of an organization needs to understand and comply with ITs’ policies and procedures.

    Source
Todo conhecimento é fragmentário. Toda representaçom e armazenamento por meios informáticos de feitos, persoas e circunstâncias tamém o é. Porém, quanto mais regular e sistemática a recolhida de informaçom, por muito que modesta, mais representativa será a compilaçom respeito do que se pretende retratar. Melhor um sistema imperfeito que nengum. Trabalha com normas (ainda que estas sejam menos logradas do que serám quando se revisarem no futuro).
O contrário nom é engenharia informática, é trabalho manual vestido do que nom é. É amateurismo e improvisaçom. Trapalhada e chafalhada, e disso no mundo já sobra.

Os dados e o coronavirus

Las dificultades con los datos han sido una constante. Hace 15 días, un grupo de expertos pidió un examen de los fallos de España y mencionó entre sus preocupaciones los “sistemas de información sanitaria”. En España hemos usado datos del siglo pasado para una pandemia del siglo XXI. Algunos sistemas han mejorado en estos meses y las Administraciones tienen mejores indicadores. Pero la información que publica el CCAES (Centro de Coordinación de Alertas y Emergencias Sanitarias, del Ministerio de Sanidad) sigue siendo lenta, escasa y nada accesible. Es imposible saber cuántas muertes hubo en la última quincena (por culpa del retardo), o cuántas personas fueron hospitalizadas en julio o agosto (porque no existen esas series). No ofrecen apenas estadísticas por provincias y ninguna para barrios y ciudades.

El País

Em agosto passado dixem: Sei q a informática só será 1 parte da equaçom e ignoro as claves do processo mas como engº infº e defensor impenitente qualidade dos dados nom podo expressar avondo a profunda frustraçom q m produze ver q passam os meses e este problema persiste
Sem boa informaçom nom somos nada

Quando dixem isso o que menos podia imaginar seria que alguém usaria o Microsoft Excel para tratar dados importantes:

Botched Excel import may have caused loss of 15,841 UK COVID-19 cases.
Agency reportedly lost data after exceeding maximum rows for a spreadsheet.


Isto é entre trágico, cómico e próprio dumha lenda urbana.
Assessorem-se melhor, por favor.

- Usar CSV? Perfeito.
- Processar dados clave via Excel? Uh... melhor nom.

PHE was responsible for collating the test results from public and private labs, and publishing the daily updates on case count and tests performed.

In this case, the Guardian understands, one lab had sent its daily test report to PHE in the form of a CSV file – the simplest possible database format, just a list of values separated by commas. That report was then loaded into Microsoft Excel, and the new tests at the bottom were added to the main database.

But while CSV files can be any size, Microsoft Excel files can only be 1,048,576 rows long. When a CSV file longer than that is opened, the bottom rows get cut off and are no longer displayed. That means that, once the lab had performed more than a million tests, it was only a matter of time before its reports failed to be read by PHE.


Ars Technica

digo-o nom só em relaçom a processos institucionais, quem figer investigaçom científica valiosíssima no campo que for, usai BDs, nom Excel

A parte trágica é que, se se fai o que nom se deve em termos informáticos em certos âmbitos, em última instância se podem pôr vidas em risco:

In addition to understating the number of COVID cases in official statistics, the glitch also hampered contact tracing efforts because data about the missing positive tests were not passed along to contact tracers. Officials stressed that the test subjects themselves got their test results as normal.
É curiosa e educativa a experiência de evitar as ferramentas mais implantadas, 2 anos c/@DuckDuckGo
por defeito em todos os dispositivos,
1 mês sem nem tocar G**gle como pesquisador (desde a última atualizaçom de condições), nesse tempo @QwantCom
como alternativa a DDG.
A potência d G na pesquisa está insuperada polos d+ mas é chamativo comprovar q "s pode viver" sem el
Em mapas adoro @openstreetmap
para mim supera G Maps, este último só ganha coa foto satelital e coa vista de rua, mas nom nos mapas em si, para o que tenho precisado.
gma*l hai anos q n'o uso, por @ProtonMail
Ao q nom dei c/alternativa
top a G é no Drive, + q nada em folhas de cálculo partilhadas q uso mt coa equipa
Se alguém tiver melhores propostas que https://alternativeto.net/software/google-sheets/ agradeço orientaçom nisto pq é o último remanente do império G q tenho em uso
Umha unidade de medida web que dê umha dimensom numérica objetiva, embora aproximada, da volatilidade das ligações dentro de um domínio.

Nengumha entidade minimamente séria pode em 2020 gerar URLs à toa, sem controle, desatendendo rotas velhas, por mt q obsoletos os conteúdos

Interagir com instituções ou multinacionais é pensar num conceito de obsolescência nem-programada
Recursos q se criam só para os deixar cair
Dous princípios que o bisavô, que foi criado na filosofia da autosuficiência dumha família de torreiros de farois e que depois trabalhou de carpinteiro e na fábrica de armas, ensinava aos seus:

  1. Quando se amanhar algo nom é para que fique como estava antes de se estragar senom para que fique melhor do que estava;
  2. Se fixares algo num móvel, numha parede, onde for, e vier um tremor de terra, que antes caia a casa mas que isso que figestes fique em pé.


(e nunca deixo de pensar que estes dous conceitos tam simples, de tam bons que som universalmente, se se derem aplicado em concreto à engenharia informática, contribuiriam enormemente à crescente fortaleza dos sistemas)

A boa informática nom se escuda nela própria

Os resíduos plásticos nom desaparecem magicamente da existência quando os guindas ao lixo. No conjunto do nosso (eco)sistema estamos gerando lixo de todas as formas, co qual de um jeito ou outro teremos que conviver, por muito que pareça esfumar-se quando o camiom passa e esvazia o contetor da nossa rua.

De jeito um pouco análogo se na nossa organizaçom geramos informaçom supérflua ou até perniciosa o mais provável é que se acumule e crie efeitos negativos, ainda que nos pareça o contrário; já simplesmente por eclipsar ou dificultar o acesso aos dados valiosos -quando nom os contradizer, mesmo- que som aqueles em que nos devemos concentrar. O ideal é tentar que se gere unicamente a informaçom necessária e que esta seja útil: reutilizável, ponderável em acumulado coa anterior e futura e igualmente comparável com ambas.

Hai um princípio na informática que dita que todo sistema já tem por si a tendência natural a se fazer mais complexo. Qualquer profissional sabe que isto é verdade. Toda melhora, ampliaçom ou correçom leva inevitavelmente por esse caminho. O reto é lograr que nom se escape das mãos... e tenho visto fracassos clamorosos nisto último.

A má organizaçom da informaçom só piora essa tendência à complexidade dos sistemas.

Convivemos com gente que pensa, ou atua como se, só por usar sistemas informáticos a adquisiçom e o tratamento e o armazenamento de dados já valesse, sem mais. Umha espécie de pecado original da persoa digital, propiciado em contornos com intrusismo profissional e amateurismo tolerados por chefaturas incompetentes ou faltas da formaçom básica precisa para saber o que lhes estám vendendo.

A realidade é que a tecnologia nom é nada sem umha política razoável que a guie. Mil vezes é preferivel antes umha organizaçom com prestações informáticas limitadas mas com metodologias robustas e eficientes acompanhando aquelas harmonicamente que outra com infinidade de vistosas distrações state-of-the-art mas na que falhe o essencial: um sentido básico da ordem e dos fluxos polos quais os dados nascem, medram, se reproduzem e depois passam a adormecer (ou, por economia, a se matar, o qual pode estar justificado e até ser ecológico).

Se os sistemas robustos e escaláveis nom estám num horizonte realista e hai que administrar dados o melhor é ser o mais metódico possível. Melhor um método imperfeito que nengum método. Tenho visto improvisaçom e absoluta desatençom nascidas da preguiça e do completo despreço por normas elementais da geraçom e acumulaçom de dados. Quando ambas se combatem o preço a pagar pode incluir enfrontar a hostilidade à melhora e/ou à prestaçom de contas (accountability). Hai muita mediocridade agochada atrás do recurso à obfuscaçom.

Nengumha organizaçom minimamente séria pode passar por isso.

Um símil que frequentemente comento: ponhamos por caso que a atividade dumha hipotética entidade fosse a limpeza do piso dumha casa. Se tivéssemos que escolher entre umha vasoira e umha aspiradora de última geraçom nom teríamos dúvida sobre qual escolher... a priori. Porém se a primeira vai acompanhada do know-how preciso, de umha política de horários, pautas e de objetivos claros enquanto a segunda só vai da mão do caos, mal mantimento, desídia e imprevisibilidade... um engenheiro sabe o que tem que escolher para a ter a casa limpa em todo momento.
$ para que ls se find, pergunto-me.
Apagar tweet nom apaga a multimídia que tivesse associada, a URL desta continua sendo válida.
Anos atrás Google Translate era espetacular para o estado da arte na altura. Ultimamente é surpreendente a qualidade péssima que lhe vejo quando a provo.

Outra cousa, já sei que o propósito dos tradutores é o tratamento de linguagem construída, nom palavras isoladas mas mesmo assim sempre me surpreende q nom diferenciem na saída

O termo é igual na língua destino
em contraste com
Nom o dei traduzido para a língua destino



WordReference tampouco conhece eivado, ainda bem que sempre está o Priberam.

.bashrc pode ser um dos pequenos prazeres da vida

alias lsf='ls -p | grep -v /'
alias lsd='ls -d */'
alias lst='lsf && lsd'
alias lsff='ls -pl | grep -v /'
alias lsdd='ls -dl */'
alias lstt='lsff && lsdd'

Enjoy!
De Amesterdão a Chipre, hai muitos axexando para fazer o mal contra o teu domínio se lhes deixas. Estes dias vejo-os uliscando por:

robots.txt

wp-includes/wlwmanifest.xml

vendor/phpunit/phpunit/src/Util/PHP/eval-stdin.php

member/

default.asp

blog/

wordpress/

wp/

new/
old/
test/
main/
site/
backup/
demo/
home/
tmp/
cms/
dev/
portal/
temp/

mod.css

guestbook.html

dompdf/dompdf.php?base_path=%2f&input_file=http%3A%2F%2Fdev.pictbland.net%2Fimages%2F2.txt
Deus me arrede de quem nom indenta o código fonte, nom sabe escrevê-lo a oitenta colunas nem distingue onde deve ir um salto de linha e onde um de parágrafo.
Boto as mãos à cabeça cada vez que leio análises sobre estratégia IA na UE que, no melhor dos casos, além do técnico-informático enfatizam o jurídico-legal... sem incidir no essencial: o ético e filosófico. Nunca tanta falta as Humanidades figérom falta, digo como STEM.

Como os informáticos ainda completamos os estudos universitários sem o equivalente a um juramento hipocrático como o dos médicos, nom o entendo.
(o meme estava bem, mas era incompleto)

Cada vez que vejo os dados que o OPACs galegos via Koha armazenam sob password semipública por defeito boto as mãos à cabeça, muitxs usuárixs nem se molestarám em trocar a clave e os seus dados persoais estám praticamente em aberto.
Comprovárom que, deste jeito, se pode entrar em contas alheias e aceder a dados privados: nome, telefones, emails, endereços, foto... tudo com proteçom irrisória.
Muito olho bibliotecárixs. Este tipo de chafalhadas nom podem ser.

Faraday, protege-nos

Que risos comprovando o isolamento dos celulares com esta caríssima gaiola de Faraday de alta tecnologia.

Faraday, protege-nos

Minutos antes muita menos graça fijo alguém escrever em Google "P q es d" e o resto do texto preditivo era idêntico ao que se estava a falar na conversa a viva voz diante dos telefones...

Som as cassetes só nostalgia?

Sales of cassette tapes in 2018 were up 23 percent from the prior year


O artigo esquece mencionar um fator para o uso do cassete, como é a perdurabilidade. Os suportes analógicos e físicos teriam maior garantia provavelmente, num cenário "extremo". Se tendes cousas importantes fareis cópia "tangível".

Nom sei se o contou publicamente mas um famoso diretor de cinema espanhol tinha um filme completo escrito num único computador que lhe cascou. O trauma de perder o guiom inteiro foi tam brutal que renunciou por completo ao projeto. E já estava na fase de procura de localizações! Se tivesse tido umha cópia provisória impressa agora poderíamos ver o filme.

Por isso, a muitas décadas vista as cassetes nom som nostalgia senom um suporte mais, económico no seu tempo e nom digo que mui seguro, mas polo menos umha alternativa à que, como outras, nom hai que renunciar só por "sermos modernos".

Exemplos de perda digital levamos avondos. É provável que ao longo praço manuscritos medievais sobrevivam a muito conhecemento hoje guardado só em suporte digital. Reflitamos nisso.

No momento da novidade, achamos que as cousas vêm para ficarem, mas...:

the Recording Institute Association of America had an article a while back that said the CD had dropped 90 percent in retail music sales since its peak in the year 2000


Quem no-lo ia dizer em 1989!
Era bem falarmos seriamente d q correios corporativos, d partidos etc estejam redirecionados para emails ubíquos de grandes corp. USA

É-nos tam cómodo, as interfaces tam familiares, os servidores nunca lhes caem... q o entendo, mas sendo estritos deviamos tentar evitá-lo pq lho estamos servindo tudo grátis. Tudo
Já email nem é seguro, q di Snowden
q useis Signal,
mas -polo menos-, servidores próprios.
Só.