A primeira ediçom de Astérix em língua galega nos anos 70-80 foi traduzida polos irmãos Blanco Amor quando a ortografia oficial hoje vigente (incidentalmente, compatível coa espanhola e nom coa portuguesa, contravindo a lógica linguística) ainda nom estava fixada. Oscilante, inçada de hiperenxebrismos, ourensanismos e vulgarismos, a escrita daqueles álbuns tem para mim -e nom sem nostálgia- o encanto dum idioma arcaico, como se assim realmente falaram os antigos galos e os seus visitantes.