Normalmente nom me resultam interessantes os trabalhos artísticos que, sendo produto de umha subvençom-estadia, dam demasiado peso à vivência particular da bolsa em si. Nesses casos o fim e o meio confundem-se, dando como fruto umha mistura entre o costumismo mais ou menos anódino e aquilo outro que o autor pretendia ter alcançado. Esta forma de autorretrato com pretexto é algo similar a essas histórias curtas de BD em que o criador se deleita na dificuldade de fazer a própria BD: nom tem ideias para o relato e entom fai o relato sobre nom ter ideias. Um recurso pobre. Polo contrário, as melhores obras derivadas de bolsas tratam sobre algo totalmente alheio ao autor e/ou às suas circunstâncias particulares nesse processo. Na casa dos autores de Angoulême tem havido muitos exemplos deste ótimo fim. Por muito que ficcionar, para mim n'A jovem e o mar Catherine Meurisse, ajudada por umha bolsa em Japom, conta-se entre os autores que escolhem a primeira opçom e falham totalmente.

Meio já contava com que, após namorar dessa maravilha intitulada Os grandes espaços -pola qual ainda fico grato-, havia um sério risco de me defraudar o seu seguinte título. Umha persoa culta como ela maneja-se com soltura no conhecimento do meio natural (nomeadamente, a flora) e das referências artísticas cruzadas entre Oriente e Ocidente mas, apesar da sua graça dialogando e desenhando, o álbum simplesmente fica demasiado no terreno dos lugares comuns: aqueles que ninguém podemos evitar na nossa primeira visita ao Japom (eu igualmente, e com isto nom me atrevo a comparar-me com umha autoraça como Meurisse). Nom obstante a alguém da sua escala de talento e experiência temos-lhe que exigir bastante mais que um percorrido sem rumo por clichés como o ukiyo-e, as paisagens, os haikus, os maremotos, os toris, Miyazaki, as lendas, os falos da fertilidade... Visto tudo, parece um poutpurri, um "grandes êxitos" dos estereótipos.

Em sumário: confirmada a decepçom total.


Adorei.

Quando saiu a sua BD sobre os atentados ao Charlie Hebdo nom tivem humor para ler (talvez algum dia); nom relacionei ao apanhar este e assim comecei a ler sem saber quem era a autora. Foi o meu primeito contato coa sua assinatura e considero é realmente umha criadora sobresaliente, crítica e subtil, abençoada para o humor, capaz do poético e do cómico, de abranger a magnificência (a cultura, a natureza) mas tamém o anedótico (as pequenas memórias familiares ou da infância).

Aliás, eu estudei engenharia, nada mais longe de história da arte, por isso nem todas as referências pictóricas -e nom só- as colho, mas no final da ediçom (original, na da imagem traduzida para espanhol) vai umha página a jeito de índice de referências para quem quiger pescudar mais ou conhecer os trabalhos artísticos em que ela inspirou momentos desta sua brilhante crónica autobiográfica.

Umha das minhas melhores leituras desta temporada.