Adorei. Quer dizer, aborrecim. Do ponto de vista humano a explotaçom laboral e os maus-tratos emocionais que mulheres como as protagonistas sofrem no cenário verídico da Coreia do Sul contemporânea som terríveis. O alcoolismo, os abusos económicos e psicológicos dentro dos casais -embora temporários-, tudo isso. Com que gostei refiro-me ao bom tandem que a mãe do autor como cronista/argumentista e el como criador desta BD conseguirom. É realmente um ótimo trabalho, do melhor que levo visto no ano, um em que as evidentes limitações gráficas (um estilo como amateur, feio, que é mui comum nas novelas gráficas atuais) do assinante acabam carecendo de importância quando a história e os personagens têm tanto a dizer, sem suavizar os retratos em nengum momento, aportando sempre a expressividade ou a pausa precisa, cumprindo sobradamente coa narraçom, co ritmo da história.